fernando-prass-selelcao-olimpiada-teresopolis-treino

Preparador de goleiros da Seleção Olímpica, Rogério Maia explica detalhes desde o corte de Prass até o pênalti salvo contra a Alemanha

fernando-prass-selelcao-olimpiada-teresopolis-treinoPor Tauan Ambrosio

Um torneio de extrema importância, ainda mais depois dos 7 a 1 na Copa do Mundo de 2014, e uma decisão dramática, delicada e vital a ser tomada. Depois do corte de Fernando Prass, quem poderia substituir o goleiro palmeirense no gol da Seleção que, dentro de sua própria casa, tinha a missão/obrigação de conquistar o inédito ouro olímpico?

A comissão técnica optou por chamar Weverton, do Atlético-PR. Foi a primeira opção do Brasil. Treinador de goleiros da Seleção Olímpica que entrou para a história ao garantir o tão sonhado ouro, Rogério Maia contou, em entrevista exclusiva, como foram os momentos desde a lesão de Prass ao excelente desempenho do goleiro atleticano, chamado às pressas, na disputa de pênaltis que enfim levou o Escrete Canarinho ao lugar mais alto do pódio.

Como na maioria das histórias clássicas, ou novelas, o caminho do protagonista (no caso, a Seleção) foi marcado por um trauma. Ainda no início da preparação visando os Jogos Olímpicos, Fernando Prass, um dos líderes do grupo, sentiu o cotovelo e acabou sendo cortado. Uma lesão causada pelo impacto do jogador de 38 anos no gramado. Prass seguiu com o grupo até Goiânia, onde o time disputaria amistoso contra o Japão, mas não aguentou as dores.

http://www.goal.com/br/news/11072/exclusivo/2016/08/31/27026912/confira-como-a-sele%C3%A7%C3%A3o-escolheu-weverton-e-o-ajudou-contra-a?utm_referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com.br%2F

Deixe um comentário

Você pode usar estas tags HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>